O novo é sempre ruim

Sabe àqueles dias que você se senta para assistir a algum programa, mas nada te “apetece”?

Você se vê zipando os teclados dos controles e acessando inúmeras possibilidades, mas nada chama a sua atenção?

Até que de repente algo entra na tela e você resolve escutar.


Foi isso que aconteceu comigo nessa semana. Não queria ouvir jornais com notícias lamentáveis, também não estava com paciência de iniciar uma série ou assistir um filme que me tiraria desse estágio de liturgia que me encontrava.

Queria dar um tempo nos pensamentos e preocupações!

Havia sido uma semana frenética. Muitas reuniões, muitas trocas, muitas responsabilidades. Naquele momento eu só queria entrar no meu estado de flow.

Eis que surge esse desenho animado e resolvo assistir.


Para mim, o filme – “O novo é sempre ruim, nunca perca o medo'' foi uma lição de vida.

Naquele momento, assistir a esse filme, de forma totalmente desproposital, chamou minha atenção.


Será mesmo que o novo é sempre ruim? E por que associamos o novo sempre ao medo?


Tomar a decisão de mudar, nem sempre é fácil!


O medo do novo toma conta e nos sentimos tentados a permanecer onde é mais seguro e conhecido, não é verdade?

A chamada “zona de conforto” ou “zona do desconforto” como diz @MuriloGun e comungo de seu pensamento, é a principal inimiga das mudanças, pois é nela que fincamos hábitos e isso faz com que nunca confrontemos novas emoções e pensamentos, deixando-nos presos às raízes da mesmice. Trancar as portas da zona de conforto é não se permitir, não se aventurar, não aceitar os desafios da vida.

O fato é que o filme me levou a uma pesquisa sobre o assunto. Queria ouvir opiniões, ler relatos, me aprofundar na matéria para entender:


Por que temos medo?


Segundo cientistas e estudiosos sobre o assunto, no início da vida humana na Terra, o homem era mais cauteloso quando lidava com animais que poderiam oferecer maior risco à vida. Esse comportamento prevalece até hoje e é fundamental para a sobrevivência da espécie pois o medo de morrer é que nos mantém vivos.

Creio que ninguém goste de sentir medo. Sem dúvidas, é uma emoção desagradável, porém necessária.


É o medo que nos alerta para a presença de perigo!


A definição de medo tem origem no latim “metus” e significa inquietação e receio, sendo eles respostas bioquímicas ou emocionais perante a algo.

Portanto, o medo do desconhecido é perfeitamente normal, mas o que não é normal é desenvolver um medo tão forte que paralisa. O filme, com uma leveza infantil, aborda o tema.

Por que temos medo de falhar?

Foi comprovado que um dos motivos de ser resistente às mudanças é o medo do fracasso.

As pessoas têm medo da mudança por uma simples questão: a mudança é uma incógnita, ou seja, é algo desconhecido, o que nos remete ao sentido vital de alerta e sobrevivência.


As mudanças assustam, pois dentro da nossa zona de conforto comandamos a vida. Sabemos o que dá certo e o que não dá e é por isso que o medo das coisas não saírem conforme planejamos segue o papel protagonista de um vilão na hora de mudar.

Este é um processo que pode surgir em qualquer área da vida. Várias coisas podem acontecer a qualquer momento, e o fato de mudar, de sair da zona de conforto, é que causa o sentimento de medo, seja por um novo relacionamento ou uma separação, um novo emprego ou um novo cargo, uma nova casa, um filho, enfim, o estalar do medo pode aparecer a qualquer instante.


E, o pior é que quando nos inflamos de coragem e aceitamos “cometer erros” ou “falhar”, consideramos como possibilidade, apenas a consequência final e nunca o aprendizado com essas experiências, o que causa o tal congelamento de agir.

Lembrar que toda a experiência é válida e importante na construção dos nossos valores e personalidade é um ato de coragem e coragem é ir com medo!

A psicóloga Dr. Ann Latham, em seu artigo para a conceituada Revista Forbes, listou alguns benefícios e conselhos para sair da zona de conforto.


1. Não será tão ruim quanto imagina;

2. O ego pode ser curado;

3. Ninguém está prestando tanta atenção em você;

4. Os outros também estão com medo;

5. Pessoas com tanto talento e medo quanto você e tanto estão realizando, com sucesso, o que vocês tem evitado;

6. Não há melhor maneira para crescer;

7. Você pode descobrir algo que ama;

8. Novos desafios e experiências recompensam o seu cérebro e o torna mais adaptável, forte e saudável;

9. Você vai recarregar os níveis da sua autoconfiança;

10. Você vai sentir orgulho de que tentou;

11. Cada objetivo atingido torna mais fácil estabelecer e realizar os próximos;

12. Você será mais apto para promoções e poderá ganhar mais dinheiro;

13. Você aprenderá que falhar é raro pois os resultados mais

14. Ao passo que a sua zona de conforto expande, novas oportunidades, antes escondidas pelas barreiras que você mesmo criou, aparecerão;


15. Você vai se tornar mais resiliente e preparado para qualquer coisa que aparecer no seu caminho;

16. Abrir portas que você nem ao menos sabia que estavam lá pode mudar a sua vida.

É isso, caros leitores. Diante a tudo que vem acontecendo e tomada pela mensagem do filme infantil, creio que trabalhar nosso controle emocional e nossa capacidade de aceitar melhor as transformações é um marco sem volta.

O desconhecido envolve riscos, esforços e demanda muita energia, sim, é verdade, mas por outro lado, não se permitir experimentar o novo impõe limitações.

Se você não tentar, não vai saber se consegue. E, nesse cenário, seus sonhos nunca deixarão de ser apenas medo.

Até a próxima!!! Se cuidem!!!

Felicidades!

Mírcia Ramos

Texto revisado por Ana Elisa Carvalho de Aguiar – Professora de Língua Portuguesa

Produção Virtual: Hannah Sloboda



28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo